top of page

Centre for Studies in Sexual Diversity

Sexual and reproductive health

Self-esteem and

 
Quality of life

The Neds Proposal

One of the most fundamental pillars on the theme of diversity is sexuality as a broad concept. The gender theme alone reveals problematic and violent dynamics, the racial theme cannot be separated from the gigantic sexual violence that black and indigenous people have suffered and suffer to this day, the information that women with disabilities are more vulnerable to sexual violence cannot be a surprise to most people. The list is long.

Our society has a complicated history on the subject due to the fact that the great

 

"Producers of knowledge" on the subject were privileged men, who have even concluded in the past that sexual orientation was a disease and that black women felt less pelvic pain for their "nature". This made us think that it is time for different people to think and produce content about their various sexualities, and so our project of the Centre for Studies in Sexual Diversity is born.

Pinceladas

Taboo for whom?

Sexuality is only taboo when it talks about the "different", about what is non-normative.

 

Who are the people who are allowed sexuality to be part of their

 

Quality of life?

Our performance

The performance of NEDS is based on 3 main fronts:

 

1. Review and create new studies on sexual diversity;

 

2. Care in sexual psychotherapy focussed on quality of life;

 

3. Social education about sexual diversity for all people.

In this way we explore themes such as mental health, self-esteem and relationships, sexual abuse and violence, neurodiversity, gender and sexuality, parenting, communities and social dynamics

O Diretor do NEDS

Paulo Rezende, carinhosamente chamado de PF, é o Idealizador e Diretor Geral do NEDS. 

Paulo foi exposto ainda na infância aos mais variados cenários de problemáticas sociais relacionadas a gênero e sexualidade. Essa exposição prematura ao tema o fez amadurecer rapidamente sobre a questão, além é claro da educação de sua mãe sobre como um homem deve tratar uma mulher. 

Na adolescência enquanto um jovem LGBT, PF pode descobrir mais sobre a sexualidade e especialmente sobre sua masculinidade. 

Ali na adolescência Paulo já era o terapeuta dos amigos e já vivia sob a profecia coletiva de que seria terapeuta.

Aos 18 anos PF fez um curso de introdução à Psicologia pela Universidade de Harvard e teve certeza que aquele era o seu caminho. 

Anos depois Paulo ingressa em uma escola de Yoga e entende mais da relação sobre o corpo e a mente e ali se aprofunda nas suas relações com a sexualidade. 

Depois de virar Mestre no tema de sexualidade sagrada dentro da Tradição, e começar sua trilha acadêmica em neurociências e comportamento humano, Paulo decide dar o próximo passo e ir para a sexualidade clínica.

Hoje é sexólogo e psicoterapeuta especializado no tema de Sexualidades Não-Normativas onde aborda as especificidades da atividade terapêutica nas sexualidades de Grupos Minorizados

bottom of page